quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Dos dias e ao Sol

Passa... como...
passa o tempo, quero o chão
passa o vento, quero ser o vento
passo eu, em frente ao espelho
não me vejo
enquanto chove, chovo eu
e a chuva que escorre
desce pela minha face
não me toca
a TV não me ouve no domingo
arranjos modernos
refletem a luz que não vejo
é noite de sois fluorescentes
é noite do calor que lhes falta
de dia o sol urtica, queima
no dia do sol fluorescente
é ele que me faz dormir
me trazendo o sono
e o adormecer e despertar
meus minutos de vida
meu caro mensageiro desprezado

2 comentários:

Pseudo-cérulas disse...

Olá, me conhece? Da onde? O.o

Pseudo-cérulas disse...

Ah, auto retrato n°1. Muito bom.